Jump to content

Fanfic - A Confusa História de Mari Ming Onnett


SrBelmont
 Share

Recommended Posts

Ei pessoal, joia?

Meu Nome é Pedro e jogo GC faz um bom tempo, desde 2000... e sei la quanto... pra ser sincero, nunca postei nada no forum tanto no outro gc quanto nesse kkk, essa é  Literalmente a primeira vez kkkk.

tava criando essa Fic no final de 2014 e ela era só ideia mesmo. Hj que tive a coragem de concretizar alguma coisa e postar o Cap 1. depois irei fazendo mais...

espero que gostem desse início. Bjim

 

 

                                                                                               A Confusa História de Mari Ming Onnett

 

                                                                          Cap 1: Uma Máquina de conhecimento ou uma Humana?

 

 

 

Porque será que o tempo tem tantas coisas que algumas vezes não fazem sentido? Porque será que o tempo faz brincadeiras de ir e vir e acabam me desnorteando? Por mais que tenha tudo corrido “bem” agora… não sei mais o que fazer ou pensar…

 

Tudo o que sei é meu nome… Mari, sei que aparento ter uns vinte anos ou menos, cabelos azuis… olhos heterocromáticos, minha roupa branca com detalhes azuis e sempre ao meu lado… meu manual de magia e tecnomagia. Eu o abro e começo a lê-lo como sinto que fiz uma dezena de vezes, anotações e cálculos de diversos protótipos de armas. Pressinto que é a minha letra anotada, porque sempre que o abro, me sinto familiar e em casa, então é certeza de que todos esses projetos eu consigo realizar e conjurar.

 

- ei amore! Vamos indo! Não podemos perder o passo! – uma garota de cabelos rosas me disse de uma maneira feliz, fiz uma mesura com o olhar, querendo dizer sim, mais não estava muito no ânimo.

 

Por um lado conheço seu nome porque um dos companheiros da equipe disse: Amy... uma dançarina… uma serva dos deuses dessa terra aonde estou pisando nesse momento: a ilha flutuante dos deuses, a terra de Xênia. Por mais que a terra seja grande e a cultura seja maravilhosa, sinto em meu íntimo que aquilo não ocupava muito meu tempo, tinha coisas mais a fazer e a estudar.

 

Essa é minha sina: o estudo. Estudar as coisas ao redor me fascina de uma maneira imensa que não se dá para medir, a necessidade de querer detalhar tudo ao meu redor, seja orgânico ou inorgânico, seja vivo ou morto, seja mecânico ou não mecânico, é maior que eu, não consigo controlar.

 

- Ei! Mari! – um homem me chamou, prendendo minha atenção. Virei meu rosto, fechei o manual e o observei cara a cara. Seus cabelos pretos desarrumados, seu casaco com mangas abertas dançando ao vento, sua lamina embainhada em sua cintura e aquele sorriso de muito humor e pura maldade que de alguma forma, me puxavam automaticamente para perto dele…

 

Sieghart… o Imortal. Só de olhar para ele… eu não sei, fico curiosa em saber o que acontece que quando olho para esse homem… alguma coisa me atrai nele, me sinto conectada a ele de algum jeito, não sei a razão disto. Presumo que seja o biótipo dele, já que seu corpo não envelhece, rejeitando as leis naturais, eu sei que devo estudar isso, porque como um corpo consegue evitar as leis mais básicas da natureza? Como ele se pode manter de pé por um bom tempo simplesmente levando arranhões e se curando rapidamente? E como ele é tão… como é mesmo a palavra? Não sei se devo dizer… desconheço essa coisa de…

 

Aaah! Mais uma enxaqueca de tanto ler livros! Não quero saber!

 

- sim?

 

- melhor apressar um pouco o passo. Devemos ir depressa e chegarmos logo nos domínios da Deusa Gaia!

 

- ah! Claro. – respiro um pouco fundo – desculpe… estava curiosa com…

 

- com alguma coisa em seu livro? – perguntou ele com um tom extremamente gentil olhando profundamente para meu rosto. Porque será que me senti um pouco quente?

 

Respondi sim com a cabeça. Logo sua mão encontrou a minha testa e percebi que ele arrumou uma mecha de meu cabelo azulado e deixou minha testa um pouco a mostra.

 

- Não se preocupe. Logo iremos terminar tudo isto e assim, você poderá me analisar como quer.

 

- ah! Sim, com certeza. – respondi afobada. Sabia que era uma ótima coisa ele me deixar estuda-lo, e alguma coisa dentro de mim queria sair para fora e dizer alguma coisa, mais me contive para não falar algo de errado, Não sei o que é... mas para mim... se parece com um sentimento e é... estranho...

 

Segui correndo um pouco ao lado dele para junto da equipe da Grand Chase. A maga Arme, bom pelo menos foi o que eu consegui ouvir do nome dela, foi a primeira a notar meu retorno ao lado de Sieghart, ela sorriu para mim e eu sorri de volta, de uma maneira gentil. Todos aqui me tratavam bem, por mais que eu ouvisse algumas vezes, algumas fofocas correndo entre eles sobre minha identidade.

 

Não os culpo, sei que isso não toma meu tempo. Minha memória está muito fragmentada, sinto isso, e apenas tenho conhecimento do meu nome e do que posso fazer: unir magia e mecânica, que pra mim não é esforço algum e sim, algo mais habitual de mim mesma. A elfa do grupo Lire, seguida da maga Arme, foram as que se espantaram com minha habilidade em executar tal coisa, segundo a pequena violeta, eu era um prodígio a ensinar para os outros ao meu redor.

 

Mais por um lado, dá para pressentir que ela está errada, por mais que não queira ser egoísta, essa é a habilidade que me distingue da equipe, e ela me demarca com relação a todos. E sei que posso ajudar essa equipe que me acolheu de maneira tão rápida e simples, acho que com eles e com o imortal… posso chegar a descobrir quem sou eu, verdadeiramente…

 

 

Edited by SrBelmont
  • Like 8
Link to comment
Share on other sites

literalmente aguardando continuação por que está ótimo *-*

Link to comment
Share on other sites

Ei pessoal :)

Agradeço muito pelos elogios. Acho que... posso lançar o segundo capitulo aqui mesmo já que o terminei hoje, tem algum problema? rsrsrsrs

 

 

 

                                                                                 A confusa história de Mari Ming Onnett

                                                                 Cap 2: Existe um passado, mais qual é o Meu?

 

                                                                    

 

Depois de quase duas horas de caminhada, adentramos ao reino da deusa Gaia, na parte sudoeste da ilha. Uma floresta simples paira sobre nós, com uma mata bem natural, adaptada a um clima bastante úmido e solo bastante fértil. Por isso que as raízes das plantas e os troncos das árvores são bem grossos e fortes, o habitat natural auxilia bastante para ter todo o efeito. Se qualquer espécie de planta fosse fixada aqui, segundo meus cálculos, ela teria um crescimento nutricional rico até demais, de aproximadamente setenta e seis por cento e obviamente seus genes teriam uma mutação formidável para realizar sua adaptação rápida neste local além de aproveitar das propriedades divinas da deusa gaia, que como não possui uma cadeia concreta de DNA, altera geneticamente toda a forma do reino Plantae ao seu redor, criando uma espécie um pouco mutante.

 

Desculpe, fui um pouco… calculista, analista e fria até demais? Ou seria uma garota chata que banca a sabe-tudo? Só sei isso devido as pesquisas eu fiz… eu fiz… ah droga! Em alguns momentos, não gosto de ter problemas de memória.

 

- enfim chegamos a floresta da vida – exclamou Amy abrindo os braços, querendo exaltar algo – o lar da deusa Gaia.

 

- mais que horror – exclamou o elfo de machado duplo, como é mesmo seu nome? Ah! Ryan, me lembro agora – sinto que esta floresta está bastante alterada, não é para ela ser assim.

 

- se a floresta está assim – o espadachim do reino de Canaban de vermécia… Ronan, se adiantou perante o grupo – acho que alguma coisa aconteceu a ela.

 

- Periett tinha razão – a maga arme, segurou firme seu cetro, com medo de que alguma coisa ataca-la. – gaia deve estar com problemas…

 

- então porque será que estou com a sensação de que estou sendo observado? – Ryan segurou sua arma com convicção de que devia atacar alguém, pois sua cara não estava das melhores.

 

E estavam certos. Olhei para a frente, com Elesis ao meu lado com seus sabres em punho, observando mais um campo de batalha para prosseguir. O jeito dela de garota durona e cabeça dura me lembra muito o jeito de Sieghart… que pensando nele, estava com sua lâmina já preparada para atacar, não sei porque me senti quente e calma novamente. Porque será?

 

- acho melhor seguirmos em frente – Jin, o cavaleiro de prata, disse para todos, e por que será que ele simplesmente olhou com afinco para mim? Eu não era uma guerreira dotada de imensa habilidade física, era só uma garota querendo aprender mais sobre o mundo a minha volta. Lire já armou sua gakkung preparada para tudo.

 

- E é melhor seguirmos rápido também – Ryan andou um pouco para frente e foi seguido por Elesis e Amy. Ronan observou o comportamento do grupo e percebeu que depois daquilo, todos se encorajaram a seguir.

 

- uma investida rápida, gostei! – Elesis exclamou animada, encerrando a conversa, fazendo com que todos pegassem suas armas e ficassem de prontidão.

 

Do meio do nada, O ninja Lass surgiu portando duas adagas e olhando secamente para a frente, como se desprezasse a vista. De modo que ninguém visse, eu retirei meu manual e por acidente, tirei um Lápis do meu bolso.

 

- Essas são suas armas? – ele me olhou com curiosidade e preocupação ao mesmo tempo e me estendeu um tipo de espada leve para mim – se precisar posso lhe emprestar meu alfanje, eu fico tranquilo em lutar com as adagas.

 

Percebi que era um gesto de gentileza, mas… um gesto de alguém como ele, que era um ninja, quieto, sagaz e frio como eu? Fiz uma mesura e olhei para ele com um gesto de humildade.

 

- obrigada Lass, mas não. Eu utilizo apenas meu manual, pode ficar tranquilo.

 

- tem certeza?

 

- absoluta – arrumei meus óculos e apontei para frente – é melhor nos prepararmos, há monstros ali.

 

Ryan olhou para mim com uma cara de: obrigado colega! E chamou todos. Uma leva de quatro sapos gigantes com um símbolo de uma árvore no peito, e três monstros que tinham uma pele escura, com ramos de vinhas em seus pés, além de vários espinhos em suas costas.

 

- não acredito – Lire olhou para frente com dúvida e apontou para os sapos gigantes – são… são espantalhos!

 

- o que? – Elesis baixou seus sabres – aquelas coisas de plantação?

 

A elfa rebateu com um olhar de: fala sério né! E logo girou em volta de si, e levantou o arco, e disse algo em… élfico? Uma aura azulada surgiu e percorreu todo seu corpo, como se ela fosse um objeto que emitisse sua própria luz, eu sabia que aquilo era para recuperar sua energia para executar ataques poderosos.

 

- aqueles ali se parecem com aqueles monstros que nós enfrentamos no vale da penumbra, aqueles espinhosos – observou Arme – não creio que possam rolar até nós.

 

Eu aposto que a Língua dela se machucou assim que ela disse aquilo, porque no momento seguinte, dois deles rolaram e seguiram até nós. Todos nós nos dispersamos, deixando uma área boa para os monstros se espreguiçarem.

 

-  dividam a atenção deles pessoal! E montem um perímetro de defesa! Depressa! – gritou Sieghart, e foi ai que a luta começou.

 

Lepidamente um dos sapos gigantes se remexeu e deu um salto, querendo usar seu peso corporal para causar algum tipo de dano, mas esse movimento foi previsto por Elesis, Lire , e Arme que fizeram um trabalho em conjunto para detê-lo. A arqueira foi a primeira a se movimentar com uma rasteira para debaixo do monstro e levantou sua gakkung para o alto, com suas flechas que ficaram em um tom vermelho.

 

- TEMPESTADE SANGRENTA! – ela invocou e o sapo gigante teve um azar enorme, pois ele foi levantado pelas múltiplas flechas lançadas, mais isso foi mais do que suficiente para criar dois vórtices que começaram a cair mais setas sangrentas fazendo com que os outros monstros tivessem problemas em enfrentar os outros companheiros, que estavam ocupados enfrentando outros sapos.

 

- GOLPE FINAL!

 

- FIM DOS DIAS!

 

- ATAQUE GLAMUROSO!

 

- FÚRIA DO TITÃ!

 

- FURIA DE CANABAN!

 

Era o que eu escutava vindo dos meus companheiros de equipe, que não deixavam os monstros se agruparem de jeito nenhum.

 

 Elesis não perdeu tempo e deu um salto, literalmente rodopiando no ar com os sabres e constituindo dano no sapo que Lire havia levantado ao ar.

 

- CAOS FINAL! – gritou ela e então duas ondas de choque saíram do redemoinho de sabres. No final, arme colocou uma mão no peito, e seu cetro na outra mão, começou a emanar um brilho verde.

 

- ANTIGRAVIDADE! – ela tinha conjurado e levantou os braços para cima, e pude notar que o monstro que já estava sofrendo dano em pleno ar, foi elevado para um pouco mais alto e pelo o que raciocinei, ele já era um problema a menos, porque devido ao dano que o monstro sofreu e a altura de que ele estava caindo, a força gravitacional da queda não o deixaria escapar da morte, causando mais dano ainda.

 

 Quando olhei novamente, as três se agruparam diante de seu corpo que começou a se remexer, e logo notei que ele começou a se inchar e ficar verde demais, e percebi uma pequena mucosa com uma cor branca saindo dele, a julgar pelo cheiro daquilo…

 

- Se afastem! – nem hesitei em gritar para as garotas – isso é ácido orgânico que pode corroer a pele! Ele vai explodir!

 

Foi dito e feito. O espantalho explodiu em uma pequena nuvem verde, deixando a grama ao redor dele amarela, sabia que mataria e poderia corroer tudo ao redor, devido a reação química produzida. Parece que Arme estendeu um pouco o braço quando saiu do raio da explosão e uma parte de sua mão ficou, ela começou a coçar e a região ficou vermelha, além de algumas bolhas aparecerem.

 

- ai! Obrigado pelo aviso Mari – ela olhou para mim com um pouco de dor, mas agradecida.

 

- disponha – olhei a ferida e então me afastei um pouco, pois suas companheiras chegaram perto para observa-la mais de perto. Eu me lembro de que a maga possuía certo conhecimento de cura, então decidi não me preocupar muito. – sapos não são animais de sofrer reações em cadeia na estrutura celular deles, mais isso foi muito interessante em ver.

 

- mais como você sabia que aquilo era corrosivo e era um ácido? Geralmente Ryan com seus conhecimentos é bom em reconhecer coisas perigosas na selva, mais… você… como sabia em?

 

- bom eu… - comecei a responder, mais pelo olhar de Elesis e Lire, elas já sabiam qual era minha justificava.

 

 Que se baseava na mesma resposta de sempre: Não sei. Droga! Odeio esse problema que tenho com minhas lembranças! parece que há algo dentro de mim que fala sozinho o comando e eu respondo, e na hora que desejo mesmo saber o motivo eu… simplesmente vejo um branco na minha cabeça… é como se eu fosse um dos meus protótipos e essa coisa fosse o criador dela, dando ordens e eu seguindo sem questionar… porque será que…

 

- Ei garota sabe-tudo! – Ryan gritou, desviando o foco de minha atenção, e aparentemente com razão, eu tinha me distraído. – cuidado!

 

Uma das criaturas espinhosas que rolavam me encontrou e rolava na minha direção enquanto os outros estavam ocupados brigando com os outros monstros. Saltei para minha esquerda, e por sorte desviei do monstro espinhoso, mais isso ainda não cessou a vontade dele de rolar novamente. Eu vi que ele queria rolar mais uma vez, porém não hesitei em abrir meu manual, sabia qual projeto poderia criar para dar um fim a ao seu rolamento.

 

- PROTEÇÃO! – eu invoquei e logo o aparato mecânico se formou na minha frente. Assim que o monstro começou a rolar na minha direção, a bobina se levantou e uma parede de raios surgiu no exato momento que seu corpo ficou por cima do aparato, o eletrocutando. Ele caiu ao meu lado, se debatendo devido a eletricidade, o monstro não desistiu e usou sua garra para me machucar, mais me afastei dele e segurei firme em meu manual, fiquei frente a frente com ele e girei meu corpo, o manual seguiu meu comando e se abriu instantaneamente.

 

- ARRASADOR! – uma explosão o afastou para longe de mim, deixando-o inerte. Quando me preparei para lançar minha outra magia, subitamente ele voou para a esquerda, seguido de chamas roxas, deixando rastros no chão do lado oposto.

 

- ONDA DE CHAMAS! – escutei Sieghart gritar ao meu lado enquanto uma segunda onda flamejante perseguiu o monstro. Olhei para ele como quem diz: Obrigada! E ele me olhou sério e ao mesmo tempo feliz.

 

- selecione as coisas certas para atacar monstro! Junte-as e Você pode explodir tudo!

 

Do nada senti um repuxo no abdômen e um baque na minha cabeça. Confesso que fiquei um pouco tonta e essa frase dele me acertou mais forte do que uma bala dos canhões que conjuro. Me senti um pouco mal e logo uma imagem de uma enorme explosão veio em minha mente, mais não uma explosão comum como a habilidade grande explosão da maga arme, uma explosão enorme, como se fosse algo gerado da fissão errônea de um elemento mágico que tinha propriedades destrutivas caso reagisse de maneira errada. Ronan segurou o bolso porque a essência do deus da destruição Periett queria vir em minha direção. Porque será?

 

Afastem-se!  Ouvi uma voz em minha mente, parecia uma chamada de... Rádio, algo do tipo.  Ou seria minha imaginação?

 

Afastem… destruição…. Explosão…. Pedra… era o que eu conseguia traduzir de meus pensamentos, porque a mensagem estava sendo cortada aos poucos, com mau contato. Logo vi imagens simultâneas das essências que o grupo conseguiu coletar até agora.

 

Céus… o que está havendo comigo?

 

                                                                                                       

Edited by SrBelmont
  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Deus isso esta cada vez melhor,realmente da vontade de ler,depois dessa batalha então e esse final,no aguardo do próximo capitulo ♥

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Muito bom!! SiegxMari *-* ♡

Link to comment
Share on other sites

*-*mto obrigado pessoal :) . Logo logo vou postar o cap 3 *-*

Link to comment
Share on other sites

Ansiosa! :gc15:

Link to comment
Share on other sites

bom... aqui está o cap 3, vai vir mais coisas por ai. iniciando projeto apimentar as coisas...

 

                                                                                                                                    

                                                                                             A confusa história de Mari Ming Onnett

                                                         Cap 3: Por alguns momentos, eu viro uma Heroína, e decido ser humana.

 

- Mari! – uma voz grossa me grita e corre em minha direção.

Sieghart não hesitou em correr até meu lado com uma face de preocupação, mais não sei porque eu comecei a sentir que ele tinha a resposta para aquilo que tinha acabado de ver e de escutar em meus pensamentos. Jin previu que o espantalho que ele estava lutando ao lado de Amy, queria saltar em nossa direção e logo reuniu seu ki e olhou para a criatura com uma face protetora.

- não ouse ataca-los! – ele ergueu os punhos e sua manopla se encheu de energia, pronto para realizar um golpe – DRAGÃO CELESTE!

O imortal olhou para ele com uma cara de agradecimento, logo ele retornou o olhar para mim e colocou a mão em minha testa, como se fosse medir minha temperatura.

- tudo bem? Você parecia muito mal, parecia que iria vomitar.

- é que… eu… me…

- me…? – ele me esperou responder.

Meu cérebro já tinha retornado a si. Foi ai que a dúvida bateu: eu digo o que vi, ou não digo? Na hora pensei: eu digo! Sem hesitar, porque… sei lá o que acontece para eu ter tanta confiança nele, e é óbvio que sim porque todo mundo do grupo me acha estranha e ele foi o “cara legal” e me aceitou como membro da equipe e passou a confiar em mim mas… tinha algo mais… algo mais gritante.

E tem essa coisa dentro de mim também que não para de falar: é ele! É ele! Não duvide dele! Confesso que se eu fosse um robô ou algo parecido, eu entraria em literal curto – circuito de tanta indecisão!

“Ok, plano B” pensei.

- me deixei distrair um pouco olhando a luta e não olhando para o monstro de espinhos – olhei fundo para o rosto dele, para forçar um pouco – parece que ele também possui algum… veneno ou algo para retardamento ou paralisia, não sei…

- mais ele lhe lançou algum espinho? – ele me observou com cara de dúvida – eu vi que você rolou para o lado e não chegou a tocar nele.

- ele usou a garra dele – disse rapidamente – algum pequeno espinho deve ter encostado em meu sapato e encostou em meu pé.

Aah! Porque não falou a verdade para ele? Meu intimo se perguntava gritantemente. Por mais que eu me sinta obrigada a confiar nele, algumas coisas… é melhor você manter por debaixo dos panos…

Ele começou a observar o corpo do monstro de vinhas inerte e olhou para mim como alguém diz: fala sério né! Ele sabia que eu estava mentindo, pude ver no olho dele. Novamente tive uma surpresa ao ver o corpo dele que se debateu também como o sapo, mais em vez de explodir, ele começou a soltar um vapor roxo, que a julgar pelo cheiro, era o mesmo ácido que o sapo havia liberado decompondo seu corpo, automaticamente me afastei junto do imortal. Ele também olhou para o processo químico bastante surpreso, foi ai que eu comecei a me perguntar se ele acreditou na mentira ou ainda duvidou, até olhar para frente e ver que Ryan do outro lado, tinha abatido um com sucesso e estava bem próximo da nuvem e começou a ter bolhas em seus braços e em suas mãos, tendo dificuldade em segurar o machado.

- DISPARO ACELERADO! – Lire acertou dois sapos gigantes e olhou para seu companheiro de equipe assim que terminou de lançar uma seção de flechas – ah deuses! RYAN!

Ela foi correndo para ajudar ele, até Sieghart chegar lá em um piscar de olhos e impedi-la.

-a névoa é ácida! Pode te matar!

Mais ela brigava com o imortal, olhando para o elfo e ficando preocupada. Sem controlar meu próprio corpo, comecei a correr para salva-lo. Escutei Sieghart gritando meu nome mais o ignorei. Pude ver que Ryan estava tendo um problema já que o espantalho era ágil para enfrenta-lo, porque seus golpes eram evitados pelo monstro. Calculei que se eu adentrasse a névoa, demoraria três segundos para o ácido em forma gasosa começar a fazer efeito na minha pele, porém não podia deixar ele ficar sofrendo daquele jeito.

- Se afaste garota! Eu vou acab… - o elfo disse para mim, logo em seguida, ele fixou seus pés em uma parte da grama e começou a fazer força, segurando sua arma como um porrete e que iria descontar a força produzida em um golpe poderoso. Ele parecia ignorar a dor vinda do contato com a névoa.

- tolos! Tolos por toda a parte! – desabafei. Logo sabia o que devia armar para salva-lo. Invoquei minha energia e abri meu manual mais uma vez, invoquei um pequeno gerador com duas antenas visíveis, logo joguei perto de onde o espantalho estava saltando. Enquanto estava correndo, eu fechei o manual, dei um tapa na capa e logo corri na direção de Ryan.

- CHUTE METEORO! – amy fez um sapo descer ao chão com um chute poderoso e olhou para mim. – amore! Cuidado!

- MARI! – Sieghart gritou mais uma vez e dessa vez percebi que ele estava nervoso comigo – NÃO FAÇA ISSO!

“Desculpe imortal mas… que se dane dessa vez” pensei, olhei rapidamente para ele e pisquei. Ele mudou seu tom um pouco e Lire percebeu aquilo, ficando mais calma e ao lado dele observando.

- CAMPO ELETRÔNICO! – eu invoquei e logo o gerador começou a produzir energia própria. As pontas brilharam em azul e logo um arco circular de eletricidade foi liberada. O espantalho saltou para trás temendo o gerador, mais foi uma tolice porque aonde estava pisando estava bem úmido, e como popularmente dá para saber: água com um ph natural e com nutrientes estáveis, conduz eletricidade pra caramba, ele ficou atordoado pelo choque e logo caiu no chão, perto de onde o elfo estava. Até agora, tudo estava conforme o planejado porque eu sabia qual era a minha válvula de escape para sair dali, e eu estava contando era com o gerador.

Adentrei um pouco a névoa, respirando com dificuldade, comecei a contar na minha mente que logo começaria a ficar com manchas na pele e poderia morrer. Mais eu iria conseguir, percebi que o espantalho iria explodir perto de Ryan que já estava parecendo um plástico bolha de tanto que sua pele estava irritada.

- Mari… saia… você… - ele dizia, e logo viu que seria atingido pela explosão e virou o machado para mim. Eu sabia que era para usar a pancada em mim para me afastar e pela quantidade de Newtons que ele tinha acumulado de força e se eu fosse atingida, não iria me recuperar facilmente.

“Plano C dessa vez!” pensei. Invoquei o restante de magia que tinha e abri o manual na cara dele.

- perdoe-me Ryan mas… - a magia foi executada – ARRASADOR!

Só vi ele voando para frente, mas com um sorriso no rosto. O sapo explodiu, mas por sorte ele já estava uns bons centímetros a frente da explosão e da névoa ácida. Olhei para o lado e cheguei perto do gerador, minha válvula de saída. Ele ficou instável e logo explodiu, eu já previa isso, me afastando do raio da área perigosa. Caí no chão na direção oposta com bolhas e uma parte irritada da minha pele, logo um braço me puxou para cima e arrumou meus óculos que estavam desarrumados. Era… Sieghart, que por mais que estivesse nervoso, me olhava feliz. Porque será?

- Mari! – Lire e Ryan vieram até mim. Ela ajudava ele a caminhar, felizes porque tudo correu bem. Sua pele estava melhor, talvez porque os seus conhecimentos de cura por ser um druida fossem bem eficazes.

- obrigada por fazer aquilo!

- Eu te desculpo por aquela pancada de energia – ele brincou e logo deixou um pequeno totem flamejante ao meu lado. Comecei a me sentir melhor e minha pele começou a se regenerar, sumindo algumas bolhas e continuando a sumir as outras. – muito obrigado. Agora vamos ajudar os outros!

Eles saíram para terminar de ajudar os outros, e o imortal veio até mim.

- tome cuidado da próxima vez Mari, não podemos perder ninguém daqui. E foi ótimo seu movimento de resgate. – ele mexeu em meu cabelo e piscou para mim, segurou minha mão com força, e me deu um beijo na testa e depois seguiu para ajudar seus amigos.

Automaticamente comecei a repara-lo com mais atenção. Meu coração estava acelerado até demais e eu estava com uma vontade enorme que querer ficar perto dele, mais sabia que devia ajudar meus companheiros. Porque será que o pensamento heroína surgia em minha cabeça? Caminhei um pouco para frente e olhei a luta, abri meu manual e logo o coloquei no chão, comecei a tirar os elementos da minha pequena mochila das minhas costas e comecei a construir. Terminei um protótipo e logo iniciei outro do mesmo tipo, e rapidamente conjurei um terceiro e segurei meu manual.

- Mari amore – Amy surgiu com seus chakrams nas mãos e com rastros de um pouco de liquido sanguíneo de monstros nas armas – o que está fazendo querida?

- acho que é hora de dar uma ajuda para o pessoal – dei mais um tapinha no manual e um brilho azul emanou dele – ativando construtos!

Três canhões surgiram na minha frente e começaram a disparar balas de canhão nos monstros restantes, deixando a luta bem mais tranquila para todos.

- eu vi aquilo que você fez para o Ryan, foi muito legal de sua parte – ela me elogiou, eu respondi sim com a cabeça e logo me olhou com uma cara de: hm… danadinha… - e… o imortal?

- o que tem ele? – perguntei de imediato.

- Ah menina para! Eu vejo isso a quilômetros e sinto o cheiro mais longe ainda – ela desabafou e riu – vai, me conta. Ele é lindo né? Certeza que faz seu tipo né? Ah vai! Pega ele vai! Ele é bonitão…

Por dentro eu me senti em festa porque ela estava falando coisas que tinham sentido para mim mas… ela já sabia? Eu pegaria… ele? Como assim? Perai! Nada disso! Logo olhei para ela com uma cara fria e calculista (a que, segundo Elesis, era a que eu mais tinha).

- ele é só meu companheiro de equipe. Porque?

- aham sei… - ele me olhava como uma criança querendo algum tipo de doce. – bom… se precisar de alguma coisa eu tô aqui em?!  - ela se afastou e logo se juntou a Arme e Jin para ajuda-los.

Eu podia sentir meu maxilar sorrindo e me sentia confiante depois daquilo. Eu não sou muito de confiar em meus amigos mas… um lado meu que por mais que queria ter algumas respostas com Sieghart, senti que devo agradecer aos meus novos companheiros, por que minha memória volta aos poucos, e eles me ajudaram com isso em alguma parte. E essa história de ficar com ele… Ok… pode ser até isso mais… o que isso quer dizer? Aaah! Melhor deixar isso para depois!

Depois de uns cinco minutos... a batalha se encerrou, porém um inimigo robótico vinha a frente… trazendo todos os monstros de volta para o campo de batalha.

“Agora me decidi, sou humana…” pensei e abri meu manual, pronta para encarar mais uma monstruosidade.

- vejamos qual parafuso está faltando nessa criatura…

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Caramba! Mal vejo a hora do prox cap! Ta de parabens ^-^

Link to comment
Share on other sites

Talvez Sábado a tarde eu termino ele, ai eu posto ok?

Link to comment
Share on other sites

Mano muito show ^^

sabe trabalhar...

 

SPOILEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEER ( NÃO LEIA, ESTAR POR SUA CONTA E RISCO )

@SrBelmont pode ler e me responder essa pergunta ?

Spoiler

De acordo com o desenrolar da historia, você pretende explicar o lado do Sieghart pela traição?

 

Link to comment
Share on other sites

Em 17/01/2016 at 4:26 AM, Nitendo disse:

Mano muito show ^^

sabe trabalhar...

 

SPOILEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEER ( NÃO LEIA, ESTAR POR SUA CONTA E RISCO )

@SrBelmont pode ler e me responder essa pergunta ?

  Ocultar conteúdo

De acordo com o desenrolar da historia, você pretende explicar o lado do Sieghart pela traição?

 

Só... Aguarde. muhahahahahahahaha

Link to comment
Share on other sites

4 horas atrás, SrBelmont disse:

Só... Aguarde. muhahahahahahahaha

Mano muito show ^^

sabe trabalhar...

 

SPOILEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEER ( NÃO LEIA, ESTAR POR SUA CONTA E RISCO )

@SrBelmont pode ler e me responder essa pergunta ?

Spoiler

De acordo com o desenrolar da historia, você pretende explicar o lado do Sieghart pela traição?

 Aiiin vou ter um infarte 

Link to comment
Share on other sites

OMG!!!! EU AMEI, TO ADORANDO, AI CARAMBA QUE FELICIDADE!!!!

Adoro fic's de Mari, principalmente de Sieg X Mari (Tá, parei huehuehue), e, caramba, essa é uma das poucas que eu gosto ( e ainda quase não tem desse gênero, então fica difícil eu poder escolher alguma coisa T^T ) e já amo de paixão, to ansiosa para o próximo! *-*

(Ps:Acho que você deveria postar no Spirit, ia fazer muuuuito sucesso!)

tumblr_mwfowhfwGe1t25neao1_500.png

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

4 horas atrás, Mari Ming Onette disse:

OMG!!!! EU AMEI, TO ADORANDO, AI CARAMBA QUE FELICIDADE!!!!

Adoro fic's de Mari, principalmente de Sieg X Mari (Tá, parei huehuehue), e, caramba, essa é uma das poucas que eu gosto ( e ainda quase não tem desse gênero, então fica difícil eu poder escolher alguma coisa T^T ) e já amo de paixão, to ansiosa para o próximo! *-*

(Ps:Acho que você deveria postar no Spirit, ia fazer muuuuito sucesso!)

tumblr_mwfowhfwGe1t25neao1_500.png

Verdade o_õ\
Caso ele poste no Spirit, com certeza ganhará meu favorito. =)

Ah, e estou ansiosa pro prox cap também! õwõ

Link to comment
Share on other sites

22 horas atrás, Geas disse:

Verdade o_õ\
Caso ele poste no Spirit, com certeza ganhará meu favorito. =)

Ah, e estou ansiosa pro prox cap também! õwõ

 

Em ‎25‎/‎01‎/‎2016 at 6:11 AM, Mari Ming Onette disse:

OMG!!!! EU AMEI, TO ADORANDO, AI CARAMBA QUE FELICIDADE!!!!

Adoro fic's de Mari, principalmente de Sieg X Mari (Tá, parei huehuehue), e, caramba, essa é uma das poucas que eu gosto ( e ainda quase não tem desse gênero, então fica difícil eu poder escolher alguma coisa T^T ) e já amo de paixão, to ansiosa para o próximo! *-*

(Ps:Acho que você deveria postar no Spirit, ia fazer muuuuito sucesso!)

tumblr_mwfowhfwGe1t25neao1_500.png

cara sei como vce se sente kkk , fiquei totalmente pá qnd comecei a ler sieg x mari :gc33:

concordo completamente com vcs to ansioso man *-* kkkk

 

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

 Share

×
×
  • Create New...